Cineteatro António Lamoso com 28 propostas artísticas para o primeiro semestre de 2023

Cineteatro António Lamoso com 28 propostas artísticas para o primeiro semestre de 2023

O Cineteatro António Lamoso [CTAL], em Santa Maria da Feira, marca o arranque da programação de 2023 com 28 propostas artísticas para o primeiro semestre [Música, Dança, Comédia, Teatro e Circo], que assumem novas abordagens estéticas e artísticas e saem da zona de conforto do auditório para “ocupar” outros recantos do património do território, proporcionando experiências memoráveis a quem está no palco e na plateia.

Uma programação de qualidade, transdisciplinar e abrangente”, refere o vereador da Cultura, Gil Ferreira, sublinhando as novas parcerias, nacionais e internacionais, a integração do Cineteatro António Lamoso na Rede de Teatros e Cineteatros Portugueses e o reforço do trabalho de mediação artística e estética com as comunidades. Gil Ferreira lembra ainda os oito anos de reabertura ao público da carismática sala de espetáculos, depois de profundas obras de reabilitação. Foi a 11 de janeiro de 2015 – fez esta quarta-feira 8 anos – que a Câmara Municipal reabriu o espaço com um projeto de programação regular para o novo ciclo de vida do Cineteatro.

Esgotada há vários dias, a primeira experiência em palco “À4HÁ” de 2023, foi protagonizada esta quarta-feira por Valter Lobo, que partilhou o palco com o público numa experiência memorável. O concerto terminou num ambiente familiar, com um momento de degustação da genuína Fogaça da Feira, harmonizada com cerveja artesanal com lúpulo feirense. Este primeiro momento marcou o arranque do novo projeto “3 Concertos, Três Casas”, que propõe três espetáculos intimistas em três espaços carismáticos do território: Cineteatro António Lamoso, Salão Nobre dos Paços do Concelho e Museu do Papel Terras de Santa Maria. 

O primeiro semestre de programação será ainda marcado pelos concertos comentados para famílias “Sinfoniónicos”, pela dança de Victor Hugo Pontes e pela “Odisseia” do Teatro Nacional D. Maria II, que traz a Santa Maria da Feira três propostas distintas:  uma reflexão em torno da cultura da água no território, visitas encenadas ao Cineteatro e a apresentação de Misantropo, um clássico do teatro. Destaque ainda para a comédia da desconstrução autobiográfica de Luís Franco-Bastos em “Diogo” e o circo contemporâneo de Pep Bou com “Bulle à Bulle”.

Pelo palco do António Lamoso vão passar nomes de vulto nacional e internacional, mas também agentes culturais e criativos locais, que terão espaço e visibilidade num lugar aberto e plural. Exemplo disso é o acolhimento de projetos de artistas independentes como Renato Ferreira, atividades de caráter sociocomunitário como o Lab inDança ou propostas de organizações culturais locais com Orfeão da Feira ou a Associação Cultural Basqueiro, “perfeitamente integradas, articuladas e empoderadas”, sublinha Gil Ferreira.

Em 2023, a carismática sala de espetáculo de Santa Maria da Feira propõe chamar a si uma cidade que se quer cada vez mais contemporânea, que cria encontros com a Arte e pensa o hoje, que trabalha novos conceitos e diferentes formas de olhar o espaço público, que quer converter cada momento artístico numa experiência única, que descentraliza e fomenta hábitos, como o ritual de agitar a primeira e terceira quartas-feiras de cada mês, com propostas experimentais de artistas emergentes. “Um lugar de encontro com o belo e com todas as emoções e horizontes que a Arte pode despertar”, sintetiza o titular da pasta da Cultura, Gil Ferreira.

A programação do primeiro semestre está acessível no site do Cineteatro António Lamoso [www.cineteatro.cm-feira.pt] e na agenda impressa. Os bilhetes encontram-se disponíveis na BOL e na Loja Interativa de Turismo de Santa Maria da Feira.