“Tenho a certeza que o FIMUV tem ainda muito para evoluir e sem dúvida para se transformar no festival nº 1 em Portugal”

“Tenho a certeza que o FIMUV tem ainda muito para evoluir e sem dúvida para se transformar no festival nº 1 em Portugal”

Em 44 anos, muitos nomes da música nacional e internacional passaram pelo FIMUV. Hoje, com um público fidelizado e sendo uma marca inconfundível no panorama musical, o Festival Internacional de Música de Paços de Brandão encontra ainda margem para crescer. Quer atrair mais públicos, continuar a trazer para a ribalta talento português e surpreender o espectador a cada edição, com espetáculos diferenciadores, de qualidade e que passam (ou já passaram) pelas maiores salas de espetáculo do mundo. A Rádio Sintonia sentou-se com Augusto Trindade, diretor artístico do FIMUV há nove anos e que nos conta tudo sobre a 44ª edição e sobre o percurso em crescendo daquele que é um dos festivais de música erudita mais antigos do país.

O festival nasceu há 44 anos, pela visão de Mário Anacleto, e desde então nunca mais parou. Foi crescendo, apostou na diferenciação, em novos talentos e em talento português, mas sem nunca deixar de trazer a Santa Maria da Feira artistas que são referências lá fora. Augusto Trindade, há nove anos na direção artística do Festival, dinamizado pelo CiRAC, destaca que o percurso tem sido “desafiante“. “Cada vez o nível é mais sofisticado e torna-se cada vez mais difícil superarmo-nos. Temos de ser criativos, para na parte financeira, que está muito bem definida, não ultrapassarmos o limite e, ao mesmo tempo, conseguirmos ter espetáculos que sejam atrativos para o público e de grande nível”, descreve.

Outra das grandes preocupações, elenca Augusto Trindade, tem sido a de trazer para os holofotes do FIMUV o talento que nasce em Portugal. “Este festival faz uma aposta muito grande nos músicos portugueses porque às vezes esquecemo-nos deles e do talento que existe cá. Recordo que este festival, há cinco anos, criou uma orquestra sinfónica que é hoje uma orquestra de referência em Portugal e muitos dos músicos que compõem esta formação pertencem ao nosso concelho e à Área Metropolitana do Porto“, realça Augusto Trindade, “orgulhoso” pelo apoio que o festival tem dado a talentos emergentes da música portuguesa.

Nos próximos dias há mais para ver no FIMUV, a começar por esta sexta-feira, que fica marcada por dois momentos distintos. ‘FIMUV Educativo’ traz até à Academia de Música de Paços de Brandão, pelas 18h, o livro ‘O ABC do Violino’, da autoria de Tiago Afonso. Trata-se de um compêndio de exercícios musicais reunidos pelo músico e docente para cativar jovens executantes com uma linguagem acessível e imagens particularmente apelativas. No auditório do CiRAC, pelas 21h30, é levada a cena a opereta de um único acto ‘Rita, escrita no auge do Romantismo pelo italiano Gaetano Donizetti e que narra uma trama de casamentos e violência doméstica sob a direção artística de Luís Rendas Pereira.
Este sábado, Badi Assad, violinista, cantora e compositora, sobe ao palco do Cineteatro António Lamoso, pelas 22h, para um concerto “único e intimista“, define Augusto Trindade.

No domingo, dia 24 de outubro, a Orquestra Filarmónica Portuguesa e a fadista Cuca Roseta partilham o palco do grande auditório do Europarque, pelas 17h30. O FIMUV 2021 encerra a 30 de outubro, no palco do CiRAC, com o concerto da banda espanhola Rarefolk, que há 30 anos se vem baseando em raízes musicais irlandesas para as fundir com sonoridades de diversos locais do mundo, harmonizando-os num estilo multicultural de identidades partilhadas.

Augusto Trindade considera que o FIMUV, que atingiu já um patamar de excelência, tem ainda muito por onde crescer. “Tenho a certeza que o FIMUV tem ainda muito para evoluir e sem dúvida para se transformar no festival número 1 em Portugal”, considera o diretor artístico.

Muito talento já passou por Santa Maria da Feira em outubro

A 44ª edição está em curso e o balanço, até ao momento, é positivo. No arranque, o festival “já foi a Paris”, no Dia Mundial da Música, através do concerto via streaming ‘FIMUV pelo Mundo’, protagonizado pelo duo de pianistas MusicOrba, composto pelo português Ricardo Vieira e pelo japonês Tomohiro Hatta. Seguiu-se o espetáculo ‘Iniciação’, levado a cena pelo Ballet Contemporâneo do Norte, que celebrou os 25 anos de atividade e que contou com a participação da fundadora, bailarina e coreógrafa Elisa Worm.

A edição de 2021 ficou marcada ainda pelo recital de Benedict Kloeckner e Beatrice Berrut, pelo recital de jovens laureados nos concursos internacionais Paços’ Premium e Cidade do Fundão, pela performance ‘Dez séculos de história’ do Coro do CiRAC, pelo concerto “Textures and Lines”, em que a percussão do coletivo Drumming se combinou com a eletrónica da dupla Joana Gama e Luís Fernandes e pelo recital com os vencedores do Prémio Jovens Músicos 2020.

Pode ouvir a entrevista na íntegra aqui.

Augusto Trindade, diretor artístico do FIMUV, em entrevista à Sintonia
gonzo.xxx arabsexflesh.com mallu hidden cam tamil women boobs desi-sex.pro sex virgin videos yo movies freesexyindians.info xxx sex bf porn muvi deluxepornos.com malluxnxxvideos www mallu xxx com xxxindiantv.info trisha hot videos full hd sexy videos analpornstars.info bangladesi sex movie funny videos telugu tryporno.net mp3 sexy film sexy girls facebook pornstarsporn.info chuda chudi chuda chudi south indian sexvedios bombaporno.com xnxx banned in india hard x video indiancloud.mobi xxx sexy porn video indian cumshot videos indiansexgate.mobi indian wife sex with neighbour latest tamil xvideos xxx-tube-list.net www.xxx.vodes.com hornbanny indianhardcore.info rajasthani bf movie aavaram poo mp3 indiansexwhores.info sex mallu anty marathi sex story hot tryporn.net nip slip videos