Junta de Freguesia de Santa Maria de Lamas repudia “atentado ambiental” e pede “mão pesada” para infratores

Junta de Freguesia de Santa Maria de Lamas repudia “atentado ambiental” e pede “mão pesada” para infratores

“Água totalmente poluída, com cheiros e infelizmente com os peixes sem vida”. É assim que a Junta de Freguesia de Santa Maria de Lamas descreve o cenário encontrado ao final da manhã desta terça-feira na denominada “Ribeira de Moure”. O presidente da Junta, Lucídio Dias, repudia o “atentado ambiental” que aconteceu hoje (data em que se assinala o Dia dos Oceanos) e pede “mão pesada” para os prevaricadores. Já foi feita queixa à Proteção Civil e ao Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA).

Numa publicação nas redes sociais, a Junta de Freguesia de Santa Maria de Lamas denuncia “um atentado ambiental” na denominada Ribeira de Moure. Pelas 10h da manhã desta terça-feira, dia 8 de junho, o executivo deslocou-se junto “dos trabalhos de reparação e conservação do moinho que se encontra na variante”. A essa hora, foi possível constatar “a beleza e a limpeza das águas” e “as dezenas de peixes”, descreve a junta de freguesia. Contudo, duas horas depois, o cenário encontrado foi bem diferente. “Água totalmente poluída, com cheiros e infelizmente com os peixes sem vida”, refere a publicação.

Contactado pela Sintonia, o presidente da Junta de Freguesia, Lucídio Dias, lamenta o sucedido. “Visitei o local pelas 10h da manhã e até comentei com algumas pessoas que lá estavam que a água estava limpa, cristalina e com cardumes de peixes. para meu espanto, por volta do meio-dia regressei lá e deparei-me com aquela imagem decrépita e que não é nada agradável. É um atentado ambiental para o qual as pessoas deviam estar mais atentas e até se virem e souberem quem é que faz este tipo de descargas que comuniquem ao SEPNA ou à Proteção Civil para que se ponha cobro a esta situação”, apelou o autarca.

Lucídio Dias, presidente da Junta de Freguesia de Santa Maria de Lamas lamenta “atentado ambiental”

O presidente da Junta de Freguesia de Santa Maria de Lamas esclarece que foi apresentada queixa junto da Proteção Civil e do Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA).

Já foi feita queixa junto do SEPNA e da Proteção Civil

Este cenário na Ribeira de Moure, diz ainda Lucídio Dias, “já não acontecia há muito tempo”. “A quantidade de peixes que ali havia é sinónimo de que a água vinha em boa qualidade já há muito tempo, estamos a falar com peixes já com 10 centímetros de comprimento”, denotou.

Cenário de poluição na Ribeira de Moure “já não acontecia há muito tempo”, diz o autarca.

“Todos olhamos e gritamos pelas preocupações sobre as políticas ambientais mas só depende do ser humano, cuidar do ar que respira e da água que bebe. Enquanto existir atitudes destas, onde revolta e surge a vontade de expressar as palavras menos bonitas do nosso vocabulário, a sociedade assina a sua própria sentença de morte”, refere ainda a publicação na página de Facebook da Junta de Freguesia de Santa Maria de Lamas.