Exposição de pintura na Biblioteca Municipal explora o jogo, a resiliência e a determinação  

Exposição de pintura na Biblioteca Municipal explora o jogo, a resiliência e a determinação  

A Biblioteca Municipal de Santa Maria da Feira tem patente, até 21 de janeiro, a exposição de pintura “Alice in Borderland”, da artista plástica Diana Costa. São 52 obras que abordam e expressam a adversidade e a superação, através de formas, símbolos e cores. Um convite à reflexão sobre as lutas e triunfos de cada um.

Diana Costa nasceu no Porto, em 1979, mas vive e trabalha na capital. É professora universitária desde 2003, sendo atualmente professora auxiliar na Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa. Mas é no seu ateliê que explora expressões, visões e reflexões através da cor, da forma e dos ícones.

A artista plástica procura pinturas que exploram uma pesquisa por significados, que visa subverter as expectativas e questionar as normas estabelecidas, apresentando abordagens inovadoras e desconstruindo convenções estéticas.

Diana Costa explica que o título da exposição “Alice in Borderland” é baseado numa série japonesa que mistura elementos de suspense, ação, drama e ficção científica, explorando diversos conceitos fundamentais ao longo da história”, com enfoque na sobrevivência, estratégia, raciocínio, relações interpessoais e procura de significado.

A artista sublinha que esta mostra se assume como uma plataforma para a expressão artística que transcende os limites da realidade. A inspiração retirada da série homónima e do clássico literário de Lewis Carrol “Alice no País das Maravilhas” entrelaça-se com as experiências e reflexões na primeira pessoa.

“As pinturas representam não apenas desafios enfrentados pelas personagens no mundo paralelo, mas também os desafios da vida real, e procura constante do significado e identidade num mundo complexo e em constante evolução”, sublinha.

As cores intensas, as formas labirínticas e os ícones presentes nas obras em exposição “refletem situações difíceis, mas também a resiliência e a determinação necessárias para superá-las”, confidencia a artista.

Do ponto de vista pictórico, as cores são abordadas de forma intensa, vivida e luminosa; as formas aludem a tabuleiros de jogos e labirintos; e os ícones traduzem-se em naipes e símbolos mais evidentes em formato de texto, palavras, letras e números.

 

Gil Ferreira, vereador da Cultura da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, deixa o convite aos visitantes para que “naveguem pelas pinturas desta artista plástica e questionem as normas estabelecidas, dando-lhes o seu próprio significado”. Sublinha ainda que “estimular o conhecimento do património cultural e artístico como processo de afirmação da cidadania é um meio de desenvolver a literacia cultural.”

A exposição “Alice in Borderland” pode ser visitada na sala polivalente da Biblioteca Municipal de Santa Maria da Feira, de segunda-feira a sábado, das 10h00 às 19h00, e aos domingos, das 9h30 às 12h30.