Banda de Música de Arrifana celebra 220 anos de história com “sentimento de orgulho” e o sonho de estrear em breve novo fardamento

Banda de Música de Arrifana celebra 220 anos de história com “sentimento de orgulho” e o sonho de estrear em breve novo fardamento

Foto: Banda de Música de Arrifana

A Banda de Música de Arrifana celebra hoje, dia 19 de janeiro, 220 anos de história e o presidente, Luís Oliveira, destaca o “sentimento de orgulho” ao ver a filarmónica atingir esta data redonda “cheia de vida”. Um dos sonhos da filarmónica é estrear em breve o novo fardamento, um investimento avultado que ronda os 17 mil euros.

Aos microfones da Sintonia, o presidente da Banda de Música de Arrifana, Luís Oliveira, destaca o que significa 220 anos de história desta filarmónica. “É um sentimento de muito orgulho de fazer parte de uma instituição tão antiga como a nossa, mas sempre cheia de vida”, realça o dirigente que partilha 23 anos de vida com esta instituição, que ao longo dos anos tem estado em constante evolução. “É um orgulho ver que a banda tem estado sempre a evoluir com o objetivo de ter uma boa imagem para representar da melhor forma a freguesia de Arrifana e o concelho de Santa Maria da Feira”, assinala.

60 músicos preenchem as fileiras desta filarmónica bicentenária, que vai celebrar os 220 anos com várias iniciativas. A primeira é já no próximo sábado, na Igreja Matriz de Arrifana.

E há sonhos na mira? Luís Oliveira afirma que sim. A filarmónica tem dinamizado várias iniciativas, com o objetivo de angariar verbas para renovar o fardamento. O investimento, afirma o dirigente, ronda os 17 mil euros.

Luís Oliveira lembra que a pandemia da Covid-19 ainda trouxe condicionamentos durante o ano transato. O dirigente acredita que 2023 é o ano da retoma da atividade da filarmónica.

Em dia de aniversário, o presidente da Banda de Música de Arrifana deixa uma mensagem de agradecimento a toda a população, músicos, sócios e dirigentes e lembra que só de mãos dadas é possível continuar a crescer. “Um grande obrigado, a ajuda deles é muito importante. Por muito pouco que cada pessoa ajude, todos juntos fazemos a diferença e é isso que faz com que a coletividade se mantenha viva e de boa saúde“, afirma.

Coletividade “cheia de vida” e que ajudou a formar gerações

O presidente da Junta de Freguesia de Arrifana, Ricardo Oliveira, lembra a relevância que a Banda de Música de Arrifana tem tido, ao longo de mais de dois séculos, na freguesia, não só na vertente cultural, mas também na componente da formação de crianças e jovens. “Passaram centenas ou milhares de pessoas pela instituição enquanto músicos, diretores, maestros, é uma coletividade cheia de vida, com 220 anos ininterruptos de atividade e que é uma mais-valia para uma vila como Arrifana, na ótica da formação, na ótica cultural e que tem vindo a crescer paulatinamente, ano após ano. Agora tem uma direção jovem e dinâmica e que tem muito para dar tanto a Arrifana como ao concelho de Santa Maria da Feira“, realça Ricardo Oliveira aos microfones da Sintonia.

O presidente da Junta de Freguesia, que já passou pela Banda de Música de Arrifana, destaca a importância que esta instituição teve na sua própria formação e aponta que é mesmo uma escola para a vida. “Fui tesoureiro durante cinco anos na banda e foi um espaço de grande aprendizagem e de grande formação mesmo para a minha vida autárquica, que hoje exerço. Posso dizer que tive na banda de música anos de aprendizagem, de saber tratar de recursos humanos, de lidar com as pessoas e isso foi uma boa escola, tal como é para todos que a frequentam. Quem passa pela banda não fica indiferente e leva sempre um carinho especial pela instituição”, sublinha, fazendo votos de muito sucesso para o futuro.