Sintonia de Ataque: “O maior problema é, não só a captação, mas principalmente a retenção de árbitros”

Sintonia de Ataque: “O maior problema é, não só a captação, mas principalmente a retenção de árbitros”

A afirmação é do presidente do Conselho de Arbitragem da Associação de Futebol de Aveiro, no último Sintonia de Ataque. António Costa abordou os impactos da pandemia na arbitragem aveirense e apontou que uma das principais dificuldades atualmente é, não só captar novos talentos, mas também retê-los.

Ser árbitro, neste momento, é muito difícil“, afirmou António Costa, apontando que a arbitragem “evoluiu muito” nos últimos anos. Além de elencar as dificuldades inerentes à função, o presidente do Conselho de Arbitragem da AFA destacou, ainda, o trabalho de preparação e a formação que é necessária para se ser árbitro. “Um árbitro tem de treinar bastante, tem de estudar bastante, tem de se preparar, os árbitros também fazem scouting das equipas para perceberem como podem preparar o jogo e as pessoas não têm noção desse trabalho que é feito antes do jogo“, explicou.

A pandemia traduz-se em “dois anos complicados” para a arbitragem aveirense. “Fez-nos, tal como os clubes, perder muitos árbitros, foram duas épocas completamente atípicas para todos“, explicou, apontando uma das principais dificuldades. “O maior problema é, não só a captação, mas principalmente a retenção de árbitros. Os árbitros não enriquecem na arbitragem e não ganham assim tanto e este ano e meio de paragem fez com que muitos deles caíssem na real e [saíssem]”, afirmou.

Ainda assim, o dirigente aponta que o distrito está “bem representado” no topo da arbitragem , com “bons quadros a nível nacional“. Atualmente, no futebol, o distrito soma, contando com equipas do nacional, 54 equipas de arbitragem, “um número curto” para António Costa, que deixa o mote para que os interessados se inscrevam no novo curso para árbitros, a arrancar no dia 29 de outubro. “Ainda não deixamos nenhum jogo sem equipas de arbitragem, mas já tivemos grande dificuldades“, reconheceu.

Olhando para o campeonato SABSEG, António Costa vê uma prova “muito equilibrada e com alguns resultados surpreendentes”, salientando que a arbitragem, tirando algum caso mais pontual, tem sido “positiva“.

No Sintonia de Ataque, que contou ainda com os comentários de Carlos Silva, Luís Belinha, Carlos Alexandre e Dinis Resende, analisou ainda a 7ª jornada do campeonato. O União de Lamas segue na frente, depois de bater o Esmoriz, “um resultado justíssimo” para Carlos Silva, perante uma equipa “desfalcada” devido a casos de Covid-19, contrapôs Carlos Alexandre. A Florgrade regressou às vitórias, por 0-2, na casa do Canedo, um triunfo onde, na ótica de Luís Belinha, a equipa “conseguiu encontrar de novo a sua identidade“. O Paços de Brandão também venceu “de forma clara” na receção ao Carregosense, apontou Dinis Resende.

Pode ouvir o programa na íntegra aqui.

Sintonia de Ataque – Edição 18/10/2021