‘No meu Olhar’ é o primeiro disco dos The Bigstone: “Conseguimos a nossa sonoridade”

‘No meu Olhar’ é o primeiro disco dos The Bigstone: “Conseguimos a nossa sonoridade”

Eugénio Almeida, Sérgio Cunha e Ângelo Campos em entrevista na Sintonia

Embarcamos no universo dos The Bigstone e fomos conhecer as origens da banda feirense que nasceu nos anos 70. O arranque foi fugaz, mas intenso. Depois de 35 anos de interregno, Sérgio Cunha, Ângelo Campos e Eugénio Almeida regressaram ao ativo – contando ainda com Fernando Santos – e apresentam esta quarta-feira o primeiro disco ‘No meu Olhar’, no Cineteatro António Lamoso, um álbum que espelha a “essência” e “sonoridade” dos The Bigstone.

O trajeto dos The Bigstone pelo universo do rock português começou no final da década de 70, numa altura em que despontavam, aqui e ali, bandas de garagem. O arranque foi curto, mas intenso, pautado por temas originais e por covers de grandes sucessos musicais da época. A amizade, a paixão pelo desporto e pela música Sérgio Cunha, Ângelo Campos e Eugénio Almeida fez nascer a banda feirense que, depois de 35 anos de interregno, regressou ao ativo em 2015.

Eugénio, o homem da bateria, teve a ideia de reunir a banda e os Sérgio, o vocalista e compositor das canções, e Ângelo, o guitarrista, anuíram. A retoma da atividade começou com ensaios descontraídos, marcados para as noites de sexta-feira e que funcionavam quase como uma terapia. Pelo meio, Sérgio Cunha começou a escrever canções e o grupo agarrou-as com ambas as mãos. E assim nasceu o primeiro álbum da banda feirense, que fica completa com Fernando Santos, o baixista e o elemento mais novo do grupo.

‘No meu Olhar’, álbum que é apresentado esta quarta-feira no Cineteatro António Lamoso, pelas 21h, redescobre o prazer pela música, vai beber às origens dos The Bigstone mas acrescenta-lhe maturidade e uma identidade própria que “muita gente já identifica”. O disco fala, como descreve Sérgio Cunha, de “vivências da pessoa comum”. O compositor de canções inspira-se em experiências pessoais, mas dá-lhes um duplo significado para que “quem ouve a música consiga interpretá-la” segundo as suas próprias experiências.

O disco tem apresentação marcada para esta quarta-feira, no Cineteatro António Lamoso, e os bilhetes já estão esgotados. Na entrevista na Sintonia, ficou a promessa e a ambição, caso seja possível, de realizar entretanto um concerto ao ar livre em Santa Maria da Feira. Além da apresentação do álbum ‘No meu olhar’, The Bigstone revela, ainda, músicas novas que não integram este primeiro disco. A acompanhar a formação no palco vão estar o grupo Coral da Cruz Mediaevus Chorus e os violinistas The Blue and White Strings Duet, Dani Valente e Rodolfo Castro.

Pode ouvir a entrevista com The Bigstone na íntegra aqui.

Entrevista com The BigStone onde é possível ouvir os temas ‘Oh baby’, ‘Tentar’ e ‘Eu Sei’